Fechar Menu
Abrir Menu

WRC Vodafone Rally de Portugal em Felgueiras dia 13 de maio

O maior evento desportivo anual realizado em Portugal regressa à estrada entre os dias 11 e 14 de maio, com a 56.ª edição do WRC Vodafone Rally de Portugal. 

O evento foi apresentado em Lisboa no passado dia 18 de abril, onde o Vereador do Pelouro do Desporto, Joel Costa, marcou presença, e sendo apresentado um percurso de 329,06 quilómetros cronometrados, que volta a levar as estrelas do Campeonato do Mundo às regiões Norte e Centro do país, prestígio internacional da prova do ACP fica visível com a maior lista de inscritos do WRC, com cerca de 90 equipas.

Ao longo de 55 edições, desde 1967, o Vodafone Rally de Portugal afirmou-se como um dos maiores fenómenos de popularidade do desporto português, atraindo, todos os anos, centenas de milhares de adeptos até às classificativas de terra do evento. Pontuável para o Campeonato do Mundo FIA de Ralis (WRC), a prova do Automóvel Club de Portugal continua a ser um dos ralis mais emblemáticos do panorama internacional, sendo este ano a quinta ronda do calendário, sucedendo ao Rali da Croácia (20 a 23 de abril) e abrindo a fase de terra em solo europeu (depois de uma primeira incursão pelos troços de terra no México, em março).

No sábado, 13 de maio, os concorrentes rumam ao Norte e às classificativas de Vieira do Minho (26,61 km), Amarante (37,24 km) e Felgueiras (8,91 km), que também recebem duplas passagens, antes da popular super-especial de Lousada, na pista da Costilha.

Podem assistir ao WRC Vodafone Rally de Portugal, em Sta. Quitéria, às 10h30 (1ª passagem) e pelas 18h05 (2ª passagem).

IMPACTO ECONÓMICO RECORDE DE 153,7 MILHÕES DE EUROS

Além de ser um dos mais emblemáticos ralis do mundo, o WRC Vodafone Rally de Portugal continua a potenciar todos os anos a economia nacional como nenhum outro evento. Em 2022, a prova atravessou 15 concelhos das regiões norte e centro do País, de 19 a 22 de maio, gerando um impacto económico recorde de 153.794.685 euros (mais de 153,7 milhões de euros), um acréscimo de 12,5 milhões (8,9 %) relativamente à edição de 2019, que antecedeu o espoletar da pandemia mundial. Estes dados foram apurados pelo Centro de Investigação, Desenvolvimento e Inovação em Turismo (CiTUR) da Universidade do Algarve, que avalia anualmente o impacto económico do evento do Automóvel Club de Portugal.

A despesa direta gerada no rali, formada pelos gastos conjuntos de adeptos (residentes e visitantes), equipas e organização, ascendeu a 76 milhões de euros em 2022, mais 3,6 % do que em 2019. Deste valor, mais de 78 % (59,9 milhões de euros) foi gerado por adeptos não residentes, o que ilustra os fluxos turísticos de espectadores portugueses e estrangeiros originados pelo evento. Com efeitos na balança turística, mais de metade (54,4 %) da despesa direta teve origem em adeptos ou equipas não residentes em Portugal, cujos gastos em território nacional promovem receitas por incoming que, segundo o estudo, asseguram “a realização de exportações no valor absoluto de 39.552.876 euros” (mais de 39,5 milhões de euros).

Cerca de um milhão de espectadores assistiu ao vivo à prova do ACP em 2022, e entre estes mais de 273 mil eram oriundos de países como Espanha, França, Reino Unido, Finlândia, Itália, Suécia, Irlanda, Alemanha, Polónia ou Estónia, entre outros. Em média, os turistas estrangeiros que visitaram o rali permaneceram quase três noites em Portugal (2,75 noites), com 86 % a mostrarem vontade de regressar ao país no Verão e 63 % no Inverno. Um indicador que, segundo o estudo da Universidade do Algarve, “deve ser tomado como exemplo no âmbito da promoção e animação em turismo em benefício das economias, populações e empresas”.

RECEITA FISCAL DIRETA DE 18 MILHÕES

A receita fiscal sobre o consumo gerado no WRC Vodafone Rally de Portugal superou os 18,2 milhões de euros, só entre IVA e ISP, permitindo ao Estado resgatar 24 % do impacto económico direto da prova. Para o impacto total também contribuem os valores económicos da projeção do evento e de Portugal através dos Media, a qual estima o valor monetário das notícias (AVE) difundidas pelos media nacionais e internacionais, a qual totalizou 77.714.339 euros (quase 78 milhões de euros), entre canais de televisão, meios digitais, imprensa e rádio. O tempo total de transmissões televisivas da prova cresceu 18,7 % face ao ano passado, colocando o WRC Vodafone Rally de Portugal como um dos três eventos com maior cobertura televisiva do Campeonato do Mundo FIA (WRC).

Desde que regressou ao calendário do mundial, em 2007, ano em que começou a ser analisado de forma científica pela Universidade do Algarve, o WRC Vodafone Rally de Portugal já registou 1.563,9 milhões de euros de retorno económico para o país, numa perspetiva agregada. “Tal permite concluir que, no conjunto dos impactos, o WRC Vodafone Rally de Portugal 2022 não só retoma como faz crescer as dinâmicas económicas existentes nas edições pré-pandemia COVID-19. Esta perspetiva agregada do contributo do WRC Vodafone Rally de Portugal para a economia do turismo nacional é de todo assinalável e acredita-se que inigualável por nenhum outro evento desportivo e/ou turístico regularmente organizado em território nacional”, conclui o estudo.

FOCO NA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

Os eventos do Automóvel Club de Portugal têm forte preocupação com a sustentabilidade ambiental e, no caso do WRC Vodafone Rally de Portugal, esse esforço foi reconhecido pela Federação Internacional do Automóvel, que atribuiu à prova o Nível de Acreditação Ambiental – 3 Estrelas, o máximo no sistema de certificação da FIA.

O Plano de Sustentabilidade Ambiental do evento, criado em articulação com o Ministério do Ambiente, através da Agência Portuguesa do Ambiente, prevê as seguintes medidas:

A) Respeitar todas as leis e regulações ambientais e outros requisitos, bem como o Quadro de Certificação Ambiental da FIA;

B) Divulgar e promover o conhecimento ambiental junto dos diferentes agentes do evento (organização, pilotos, equipas, parceiros, patrocinadores e espectadores);

C) Levar em linha de conta o trabalho ambiental na escolha de parceiros e fornecedores. Procurar produtos e serviços que garantam um bom desempenho ambiental;

D) Incentivar a partilha de meios de transporte privados (car pooling e car sharing) na deslocação ao evento, bem como a utilização de transportes públicos ou outros;

E) Preferir, sempre que possível, fontes de energia renováveis;

F) Continuar a implementar medidas e estabelecer parcerias para aumentar e melhorar a recolha seletiva de resíduos, bem como a eliminação correta e adequada dos mesmos;

G) Fomentar e melhorar as nossas responsabilidades ambientais com base em tarefas estruturadas e planeadas;

H) Envolver todas as autoridades locais das zonas de passagem do rali;

I) Continuar a reduzir ao máximo o número de documentos impressos em papel, privilegiando a utilização e consulta de documentos em formatos digitais;

J) Fomentar a redução do uso de plástico e de produtos descartáveis, dando preferência a produtos recicláveis e reutilizáveis;

K) Fomentar o uso de água da rede pública, que em Portugal é de elevada qualidade.

Os carros Rally1 usam combustíveis sustentáveis. A unidade motriz elétrica dos Rally1 também pode mover o carro em modo totalmente elétrico nas ligações entre especiais (até cerca de 20 km) e no Parque de Assistência, reduzindo as emissões locais.

CONHEÇA AS CLASSIFICATIVAS DE FELGUEIRAS

Após o regresso em 2021, o Vodafone Rally de Portugal ruma novamente às estradas do Monte de Santa Quitéria. O traçado é um autêntico carrossel na floresta, intercalando zonas rápidas com secções de condução bastante exigente, num percurso feito à medida do rali quando foi utilizado pela primeira vez, em 1993.

O WRC VODAFONE RALLY DE PORTUGAL EM NÚMEROS

Organizar o WRC Vodafone Rally de Portugal é uma gigantesca operação de logística e recursos humanos. Conheça alguns números do maior evento desportivo em solo nacional.

1.090 elementos da GNR

550 marshalls

+ de 300 bombeiros

+ de 90 técnicos do INEM

+ de 1.000 pessoas no staff das equipas participantes

+ de 500 postos de trabalho na Exponor

8.500 pessoas credenciadas

7.000 viaturas credenciadas

50 camiões com equipamento de logística

80 camiões das equipas participantes

36 pontos de aterragem de helicópteros

1 posto médico na Exponor

2 helicópteros “eye in the sky”

1 helicóptero médico

19 classificativas

40 Zonas Espetáculo

140 km de rolos de manga

 50 km de rolos de rede

16.000 estacas

8.500 placas de sinalética

59 pontos de rádio

12 reboques ACP

14 viaturas de combate a incêndio

13 ambulâncias em permanência

250 viaturas da organização

OS CARROS DO WRC

Motor a combustão: 4 cilindros em linha, 1.600cc turbo, injeção direta

Restritor de ar: 36 mm

Potência máxima: 380 cv

Motor elétrico: Unidade-padrão fornecida a todas as equipas, gerador-motor de 100 kW e 12.000 rpm, bateria de 3.9 kWh, carregamento plug-in

Potência máxima: 134 cv

Potência máxima combinada: 514 cv

Transmissão: Quatro rodas motrizes, caixa manual de cinco velocidades (mais marcha-atrás) operada através de joystick, diferenciais mecânicos atrás e à frente

Suspensão: MacPherson com amortecedores ajustáveis, curso máximo de 270 mm

Rodas: Diâmetro de 15 polegadas em terra e 18 polegadas no asfalto

Travões: Discos ventilados, diâmetro de 300 mm em terra e 370 mm em asfalto, travão de mão hidráulico

Peso mínimo: 1.350 kg

ROVANPERÄ DEFENDE TÍTULO EM PROVA COM CERCA DE 90 INSCRITOS

No ano passado, Kalle Rovanperä fez história ao tornar-se o mais jovem vencedor de sempre do Vodafone Rally de Portugal, com 21 anos. O finlandês da Toyota Gazoo Racing bateu o recorde do compatriota Markku Alén, que tinha vencido pela primeira vez em Portugal em 1975, quando tinha 24 anos. No entanto, Alén ainda detém o recorde de cinco vitórias na prova portuguesa, algo que só Sébastien Ogier conseguiu igualar. E a julgar pela forma evidenciada pelo francês, Ogier terá aspirações realistas a tentar bater esse recorde nos próximos anos.

As equipas oficiais da Toyota, Hyundai e M-Sport Ford continuam a ser as principais formações do Mundial de Ralis, com a grande novidade este ano a ser a passagem do ex-campeão do Mundo Ott Tänak para a M-Sport. A confirmar o prestígio internacional da prova do ACP está o facto do WRC Vodafone Rally de Portugal ter a maior lista de inscritos até ao momento no Mundial de Ralis, com cerca de 90 equipas, acima dos ralis de Monte Carlo (75 inscritos), Suécia (51), México (31) e Croácia (56). Rovanperä é o ‘ponta-de-lança’ da Toyota Gazoo Racing, mas a equipa liderada por Jari-Matti Latvala também terá Elfyn Evans e Takamoto Katsuta nos troços portugueses. A Hyundai Shell Mobis espera que Thierry Neuville possa repetir triunfo de 2018 em Portugal, com o belga a ser agora acompanhado pelos também experientes Esapekka Lappi e Dani Sordo, que em 2022 terminou no pódio. As grandes esperanças de Malcolm Wilson e da M-Sport Ford estão depositadas em Tänak, com o promissor Pierre-Louis Loubet a também pilotar o Ford Puma Rally1.

No Vodafone Rally de Portugal estão também em competição as categorias WRC2, WRC2 Challenger, WRC3 e WRC Masters Cup, assim como o Campeonato de Portugal de Ralis (classificação até à PE8, na sexta-feira) e o Campeonato de Portugal de Ralis 2 Rodas Motrizes (classificação entre a PE9 e PE15, no sábado).

A Exponor, em Matosinhos, acolhe o centro de operações do evento e o parque de assistência das equipas.

Estejam atentos ao site municipal, vamos divulgar nos próximos tempos, todas as informações relevantes, como Zonas de Espetáculo (ZE), acesso às ZE, Parques de Estacionamento, etc.


Mais notícias
Felgueiras proporciona atividades a jovens no âmbito dos Campos de Férias 2024